quinta-feira, 16 de Julho de 2020

 
caetano 468x60
Passageiros & Mobilidade
03-04-2020

A pandemia do individualismo
Os tempos novos e difíceis que hoje todos vivemos, colocam em evidência os valores que importam na vida pessoal e na vida em sociedade: solidariedade, entreajuda e unidade em torno do que é verdadeiramente importante para todos. Experienciamos hoje que a importância do coletivo sobrepõe-se ao interesse do individual.

Se as pessoas rapidamente interiorizaram esta verdade, nos Estados, a lógica não foi exatamente assim.

Se a comunicação social e as redes sociais (bendita internet), encheram-nos de notáveis exemplos e atitudes, também puseram a nu as indecisões dos governos e a falta de solidariedade de alguns Estados para travar este grave problema mundial de saúde.

O péssimo exemplo dado por alguns países da União Europeia, ao impedirem a criação de mecanismos financeiros de âmbito europeu, para minorar os impactos sociais e financeiros que estão a devastar a economia da União e do mundo, ficará para a história. Seja pela forte probabilidade de ser a gota que transbordará o copo da descrença generalizada no projeto europeu ou pelo momento de viragem para uma maior integração e coesão, caso recuem na teimosia do seu individualismo e na “repugnante” falta de solidariedade demonstrada.

Não sendo comparável na escala e dimensão, mas em tudo semelhante no individualismo e na falta de solidariedade, os recentes apelos aos passageiros para continuarem a adquirir o passe, por parte de cada um dos operadores de transporte público da Grande Lisboa, foi um momento triste de se assistir. Triste porque não se uniram e não agiram de forma conjunta para um problema que lhes é comum e que a todos afeta. Triste porque mostraram a incapacidade de por de lado os interesses da sua empresa em prol do interesse coletivo de todas.

Aqui, falharam também e de forma clamorosa, as Autoridades de Transportes, que só a reboque reagiram através de simples comunicados à comunicação social e sem esclarecerem a forma de compensar financeiramente os operadores pela falta de passageiros e de validação, colocando-os à beira da insustentabilidade financeira, às portas da falência e com milhares de trabalhadores no desemprego.

O drama que hoje vivemos serve de alerta para ajustarmos a nossa forma de pensar, de ser e de fazer.

“Os valores da solidariedade humana que outrora estimularam a nossa procura de uma sociedade humana parecem ter sido substituídos, ou estar ameaçados, por um materialismo grosseiro e a procura de fins sociais de gratificação instantânea. Um dos desafios do nosso tempo, sem ser beato ou moralista, é reinstalar na consciência do nosso povo esse sentido de solidariedade humana, de estarmos no mundo uns para os outros, e por causa e por meio dos outros” – Nelson Mandela, in Walk to Freedom.
por: José Monteiro Limão
1357 pessoas leram este artigo
390 pessoas imprimiram este artigo
0 pessoas enviaram este artigo a um amigo
0 pessoas comentaram este artigo
Comentários
Não existem comentários
  
Deixe o seu comentário!

 


 

  

 
 
 
 
 
 












RSS TR Twitter Facebook TR Transportes em revista

Dicas & Pistas © 2009, Todos os Direitos Reservados

Condições de Utilização | Declaração de Privacidade
desenvolvido por GISMÉDIA