sexta-feira, 13 de Dezembro de 2019

 
caetano 468x60
Carga & Mercadorias
28-11-2019

Motorização mais potente
Scania apresenta novo motor de 13 litros com 540 cv
A gama de motores Scania de 13 litros, líder de mercado, é agora complementada por uma versão de 540 cv. O novo motor – DC13 166 – destina-se a clientes e empresas que necessitam de maior potência e facilidade de condução.



A Scania oferece atualmente cinco motorizações diferentes do seu motor mais comum, de seis cilindros em linha: 370, 410, 450, 500 e 540 cv.

A nova e mais potente motorização do construtor sueco partilha a tecnologia dos motores de 500 cv, além de contar como uma unidade turbo, “robusta, de geometria fixa e com rolamentos de esferas em vez de mancais de deslizamento”, detalha a Scania. O DC13 166 debita 2.700 Nm, a partir das 1.000 rpm, o que permite que tanto as engrenagens rápidas como as baixas rotações, obtenham “uma excelente capacidade de arranque através de eixos com redução nos cubos em aplicações florestais”.

“Fiéis à nossa promessa de proporcionar sempre ofertas à medida, identificámos que existia a necessidade de os clientes disporem de uma versão topo de gama do nosso campeão de vendas de 13 litros”, afirma Alexander Vlaskamp, senior vice-president, Head of Scania Trucks. “A nossa gama de seis cilindros em linha é líder da indústria no que diz respeito ao desempenho do combustível. Os camiões Scania com motores de 13 litros foram galardoados com o prémio ‘Green Truck’ durante três anos consecutivos, na Alemanha, o que é um feito notável”.

“O potente [motor de] 540 cv destina-se principalmente a clientes e mercados onde os aspetos legais relativos às cargas nos eixos dianteiros os impedem de escolher um V8”, explica Vlaskamp. “No entanto, é perfeito para qualquer pessoa que precise de potência extra nas suas operações de transporte. Equipado com transmissões adequadas, este motor será igualmente bom para um camião de transporte de cargas pesadas e densas ou com cargas volumosas e perecíveis, onde reduzir o tempo de viagem é fundamental”.

Segundo a marca sueca, todos motores DC13 apresentam um “excelente desempenho de combustível”, bem como “a utilização de apenas SCR para o pós-tratamento dos gases de escape”. Além disso, “a robustez e a manutenção Scania com planos flexíveis, contribuem para valores favoráveis em termos de custo e de tempo de atividade, o que origina uma economia operacional total excecional”.

Além da gama de motores DC13, também os motores DC09 apresentam agora valores de consumo de combustível até 2% inferiores, “resultado de um extenso aperfeiçoamento e atualizações” por parte da Scania. As duas gamas de motores veem equipadas com bombas de arrefecimento variável em ciclos de carga reduzida e possuem uma bomba de direção variável, função essa que faz uma “pequena mas importante contribuição para um bom desempenho geral de consumo”. Os coletores de admissão e de escape, assim como as carcaças das turbinas, foram modificados a fim de aumentarem a energia de impulso e permitir uma resposta mais rápida.

No desenvolvimento dos novos motores, os engenheiros da Scania deram ainda especial atenção à fricção interna, ou seja, pistões e os anéis foram alterados para reduzirem a fricção. Todos os motores DC09 e DC13 têm taxas de compressão melhoradas e as pressões máximas nos cilindros foram aumentadas.

“Esta gama de motores melhorados oferece um aumento na rentabilidade dos nossos clientes, além de emitirem menos CO2 para a atmosfera”, elucida Vlaskamp. “A Scania continua a melhorar e a expandir a sua gama de cadeias cinemáticas, de modo a apresentarmos a oferta ideal para cada cliente. O motor de combustão interna terá, um dia, de ser substituído por cadeias cinemáticas eletrificadas, mas até isso acontecer, é nosso dever oferecer a melhor solução possível, em todos os sentidos da palavra”.



Manuseamento de cargas e alarme antirroubo de combustível são novidade
A par das novas motorizações, a Scania está a introduzir novas funcionalidades de aumento de disponibilidade nos seus camiões, tais como alarme antirroubo de combustível com conectividade inteligente, manuseamento melhorado de carga vertical com eixos mortos de dois foles e carroçaria conectada para maior controlo do motorista.

O roubo de combustível de camiões é, ainda hoje, um dos maiores problemas para qualquer transportador. Sem contar com o custo do combustível furtado, ficar parado por tempo indeterminado é um constrangimento para todas as empresas. “Manter os camiões aptos para operação diariamente é atualmente um dos fatores mais importantes na nossa indústria”, esclarece Alexander Vlaskamp. A Scania desenvolveu uma função de alarme que funciona localmente e, caso o cliente tenha o pacote Controle, é ainda notificação via SMS e email através do sistema de Gestão de Frotas. Quando ativado, o sistema de alarme monitoriza o nível de combustível até 65 horas, desde que o interruptor da bateria principal do camião esteja ativado. Se o nível de combustível descer repentinamente 4% a 8% (dependendo do tamanho do depósito), a sirene de alarme dispara. “Se alguém mexer no veículo, [o motorista] será alertado, sendo possível evitar ou, pelo menos, mitigar as consequências decorrentes do combustível roubado”, diz Vlaskamp. Para evitar contratempos em ciclos de carga movimentados, a Scania está atualmente a introduzir melhorias no manuseamento de cargas, para camiões com caixa móvel que movimentam contentores ou outras superestruturas. Ao utilizar a suspensão pneumática para elevar ou rebaixar o camião sob a carroçaria, é crucial que o movimento seja apenas vertical. Além disso, podem ser evitados os desafios de se colocar um camião na posição certa ou o risco de, ao descarregar, danificar as pernas de apoio através de movimento horizontal.

Em camiões com eixos mortos direcionáveis, esta é uma tarefa ainda mais complicada uma vez que estes tendem a mover-se de forma diferente devido ao sistema de fole comprimido separado no eixo morto. A Scania eliminou este constrangimento através da introdução de uma ferramenta que solta automaticamente os travões no eixo morto. Com as rodas a funcionarem livremente, não é transferida qualquer força do eixo morto que possa mover o camião para fora da posição desejada.

Carroçaria conectada
A BCI (Interface de Comunicação da Carroçaria) da Scania pode agora ser utilizada também para monitorizar e medir as funções relacionadas com a carroçaria do camião. Dados dos sensores e de peso, temperatura, ângulos, alarmes, entre outros, são agora recolhidos nas BCI dos camiões do construtor sueco. Através do Scania C300 Communicator, estes dados são posteriormente enviados para o sistema FMS dos clientes, o que significa que todos os dados do veículo e da superestrutura são armazenados num único local, de fácil acesso. Além disso, a Scania garante que o investimento inicial para obter acesso aos dados de monitorização “é reduzido”.

“Ter uma a carroçaria conectada significa um maior controle para o transportador”, salienta o senior vice-presidente, Head of Scania Trucks. “As cargas sensíveis, como alimentos congelados, podem ser monitorizadas e documentadas durante todo o transporte garantindo, dessa forma, que foram corretamente manuseadas durante todo o percurso”.

por Pedro Venâncio
Tags: Scania   Scania Portugal  
435 pessoas leram este artigo
112 pessoas imprimiram este artigo
0 pessoas enviaram este artigo a um amigo
0 pessoas comentaram este artigo
Comentários
Não existem comentários
  
Deixe o seu comentário!

 


 

  
BP Toolbox

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 












RSS TR Twitter Facebook TR Transportes em revista

Dicas & Pistas © 2009, Todos os Direitos Reservados

Condições de Utilização | Declaração de Privacidade
desenvolvido por GISMÉDIA