sexta-feira, 13 de Dezembro de 2019

 
caetano 468x60
Passageiros & Mobilidade
09-05-2019
Seminário #PACE
O futuro da Transdev inclui veículos elétricos e autónomos
No passado dia 7 de maio, a Transdev promoveu o seminário #PACE porque acredita que a mobilidade do futuro será personalizada, autónoma, conectada e ecológica. Pierre Jaffard, CEO da Transdev em Portugal e Espanha, afirmou à Transportes em Revista, que «a nossa vontade é demonstrar que a Transdev está presente em Portugal há 20 anos e que podemos propor aos nossos clientes novas soluções de transporte».

O mesmo responsável disse ainda que "a Transdev acredita que a mobilidade que vivemos nos dias de hoje está a mudar e, num futuro próximo, será PACE - Personalizada, Autónoma, Conectada e Ecológica. Em Portugal, queremos liderar esta mudança. Temos capacidade de resposta e de inovação e temos também a capacidade para adequar soluções às necessidades dos nossos clientes e às especificidades dos seus territórios”. E concluiu que "o expertise e know-how da Transdev permite-nos desenvolver e operar todos os modos de transporte - rodoviário ferroviário, marítimo, bicicletas, partilhado, táxis, transporte a pedido e ambulâncias".

No painel dedicado à mobilidade personalizada, David Lainé, solution manager do Grupo Transdev, apresentou a solução MaaS (mobility as a service), uma app capaz de integrar a oferta dos vários modos de transporte de uma cidade, prevendo igualmente a respetiva integração tarifária, e que está já em fase de comercialização em França.



Em Portugal, no âmbito de uma parceria desenvolvida pela Transdev, o CEiiA e a Câmara Municipal de Aveiro, esta solução vai, ainda este ano, ser testada no concelho de Aveiro, num projeto piloto que, de acordo com André Dias, Head of Intelligent Systems Unit no CEiiA, vai proporcionar aos aveirenses "planear as suas necessidades de mobilidade em tempo real, reservar e pagar por estacionamento, utilizar pontos de carregamento, alugar uma bicicleta partilhada, ou apanhar um autocarro ou o comboio local através de uma única subscrição”.

Em matéria de mobilidade autónoma, o seminário #PACE contou com o contributo e visão de Christine Peyrot, diretora comercial do Departamento de Sistemas de Transportes Autónomos do Grupo Transdev, que realçou o facto de a Transdev ser "líder mundial na operação de serviços de mobilidade autónoma partilhada, com mais de 3,5 milhões de passageiros transportados", para destacar que "os veículos autónomos têm de ser partilhados para assumirem verdadeiramente o desígnio de se afirmarem como uma solução intermodal, interoperável e integrada nas redes públicas de transportes”.

Christine Peyrot mostrou anda o trabalho que está a ser desenvolvido em Rouen, em França, sobre mobilidade autónoma. Naquela cidade francesa está a ser desenvolvido o projeto RNAL (Rouen Normandy Autonomous Lab). Trata-se do primeiro serviço de transporte a pedido em veículos autónomos em estrada aberta na Europa (três circuitos de 10,5 quilómetros).

Em Portugal, a Transdev também já apresentou um veículo autónomo, mas para já ainda não está utilizado em nenhuma situação. «Hoje em dia ainda não temos contratos assinados para implementar veículos autónomos, mas estamos a discutir com câmaras e empresas privadas», comenta Pierre Jaffard, concluindo que «a situação mais fácil para atualmente ter uma solução de veículo autónomo será num contexto B2B». O futuro pode ainda passar por utilizar os veículos autónomos no transporte de passageiros em regiões de baixa densidade populacional, mas no imediato, o CEO da Transdev Portugal e Espanha sublinha que a solução mais adequada é o transporte a pedido, que já têm implementada em algumas regiões.

Nuno Santos, diretor de consultoria na PSE, empresa especialista em serviços de consultoria de natureza analítica, apresentou um conjunto de ferramentas de recolha de dados de mobilidade em tempo real que, conjugados com os dados de oferta e procura da Transdev Portugal, poderão ajudar a estimar a procura potencial não servida de uma rede, no que respeita a trajetos e horários. "A PSE e a Transdev Portugal estão a fechar um acordo com vista à implementação de um projeto piloto desta natureza em Aveiro e que poderá, mais tarde, vir a estender-se a outros municípios", revelou Nuno Santos.

A apresentação das soluções Transdev para uma mobilidade conectada ficou a cargo de Benoît Jaby, solutions manager of Transport on Demand no Grupo Transdev, que começou por frisar que "no último ano, a Transdev operou mais de 500 mil serviços de transportes a pedido associados a ferramentas de gestão para o efeito", para concluir que "a sustentabilidade destas soluções de transporte a pedido configura desafiantes vantagens económicas quer para o operador de transportes públicos, quer para os passageiros”.

A Transdev revelou também alguns casos de sucesso implementados em várias redes operadas pela empresa, nomeadamente em Le Havre, França e que conduziram a um aumento da procura. Rafael Alatriste-Gamba, senior project manager no Group Client Department do Grupo Transdev, explicou: “Existe uma óbvia ligação entre o crescimento sustentável do número de passageiros e a utilidade do serviço, sendo que os clientes classificam a utilidade do serviço avaliando, sobretudo, se este está apto a transportá-lo aos locais onde e quando se pretendem deslocar, se o serviço corresponde a uma boa utilização do seu dinheiro e do seu tempo, se respeita o cliente e é confiável e, por fim, se oferece aos clientes a liberdade de alterarem os seus planos de deslocação".



Se na atualidade, muito se falados veículos elétricos a baterias, no futuro preconiza-se que a propulsão seja elétrica sim, mas gerada pelo hidrogénio. Tanguy Bouton, energy transition business manager no Grupo Transdev, defendeu o hidrogénio como fonte de combustível "por ser uma energia limpa, económica e inesgotável", e revelou que "o Grupo Transdev contará, ainda em 2019, com 12 veículos movidos a hidrogénio”. Contudo, assinalou o mesmo responsável, "no imediato, a energia elétrica continuará a ser uma forte aposta do Grupo Transdev, pois apesar do custo dos veículos elétricos, que representam já 5% da frota mundial da Transdev, ser maior do que o das viaturas a gasóleo, a fatura é mais baixa nos custos de consumo e de operação”.

O encerramento do seminário #PACE ficou a cargo de José Ribau Esteves, presidente da Câmara Municipal de Aveiro, que recordou a introdução, em dezembro do último ano, de três autocarros elétricos na rede AveiroBus como exemplo de uma política sustentável para os transportes a que pretende dar continuidade, tendo classificado aqueles autocarros como "autênticos outdoors para promover boas práticas e exemplos muito representativos de soluções que, efetivamente, estão ao serviço e beneficiam o dia a dia dos cidadãos de Aveiro”.

Presente em todo o território de Portugal continental desde 1998, a atividade da Transdev incide nos setores rodoviário e fluvial, detendo 11 empresas, bem como participações na Internorte, Intercentro, Rede Nacional de Expressos, Renex e Rodovia´ria do Tejo.

Com cerca de 1.900 colaboradores e uma frota de mais de 1.500 viaturas, a Transdev Portugal tem investido continuamente na consolidação da sua presença no país através de aquisições, parcerias e da diversificação dos seus serviços, marcando assim a sua presença num mercado estratégico para o Grupo.
por: Sara Pelicano
1333 pessoas leram este artigo
357 pessoas imprimiram este artigo
0 pessoas enviaram este artigo a um amigo
0 pessoas comentaram este artigo
Comentários
Não existem comentários
  
Deixe o seu comentário!

 


 

  
BP Toolbox

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 












RSS TR Twitter Facebook TR Transportes em revista

Dicas & Pistas © 2009, Todos os Direitos Reservados

Condições de Utilização | Declaração de Privacidade
desenvolvido por GISMÉDIA