domingo, 21 de Abril de 2019

 
STCP
Carga & Mercadorias
28-01-2019
Até novembro de 2018
Portos batem recorde de contentores movimentados
Até novembro de 2018 foram movimentadas 85 milhões de toneladas de carga nos portos nacionais, menos 3,9 milhões de toneladas (-4,4%) que em igual período de 2017. Segundo a AMT – Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, esta quebra foi influenciada pela diminuição da importação de Petróleo Bruto e Carvão. No entanto, apesar deste resultado negativo, nunca se movimentaram tantos contentores nos portos nacionais como no ano passado. Sines registou o seu valor mais elevado de sempre ao ultrapassar 1,6 milhões de TEU e reforçou a sua posição de líder com uma quota de 58,3%. Já Lisboa e Setúbal continuaram “a registar ‘perdas’, a que não é alheia a instabilidade laboral que se verifica no período em questão”, refere a AMT.
O volume total de quebras registadas no volume de carga movimentada foi, até novembro de 2018, de -4,2 milhões de toneladas. Sines, Lisboa e Leixões assumem um peso mais significativo ao registar respetivamente variações de -2,6 milhões de toneladas (-5,6%), -796 mil toneladas (mt) (-7,1%) e -469 mt (-2,6%), sendo ainda de assinalar Setúbal com -278 mt (-4,6%). Os mercados mais expressivos que estão na base destas quebras são os de produtos energéticos nos casos de Leixões e Sines e da Carga Contentorizada nos casos de Lisboa e Setúbal. Segundo a AMT, “no segmento dos Contentores, constata-se que o sistema portuário do Continente movimentou cerca de 1,72 milhões de unidades e 2,75 milhões de TEU, correspondentes, respetivamente, a +0,8% e -0,2%, quando comparadas com igual período de 2017, sendo que o número de unidades representa o valor mais elevado de sempre”. Apesar destes valores, a AMT salienta que o comportamento dos portos não foi homogéneo, neste segmento. No volume TEU apenas Sines e Leixões registaram variações positivas, respetivamente de +4,2% e +3,3%, face ao período homólogo de 2017. Os restantes portos registaram variações negativas, com especial destaque para Lisboa que ‘perdeu’ -12,6% e para Setúbal que registou ‘perdas’ -13,2%. “Importa sublinhar o facto de Sines ter registado a sua melhor marca de sempre, quer em número de unidades quer em volume de TEU”, adianta a Autoridade.
Nos portos comerciais registou-se um total de 9742 escalas (-3,4%) de navios de diversas tipologias entre janeiro e novembro de 2018, a que correspondeu um volume global de arqueação bruta (GT) de 189,24 milhões (-1,3%). A maior quota do número de escalas registou-se nos portos de Douro e Leixões, com 24,4%, seguido de Lisboa, com 22,9%, e Sines, com 19,8%.
por: Pedro Pereira
747 pessoas leram este artigo
132 pessoas imprimiram este artigo
0 pessoas enviaram este artigo a um amigo
0 pessoas comentaram este artigo
Comentários
Não existem comentários
  
Deixe o seu comentário!

 


 

  

 
 
 
 
 
 
 
 
 

 





Chronopost







RSS TR Twitter Facebook TR Transportes em revista

Dicas & Pistas © 2009, Todos os Direitos Reservados

Condições de Utilização | Declaração de Privacidade
desenvolvido por GISMÉDIA