terça-feira, 23 de Janeiro de 2018

 
CP_2017
Carga & Mercadorias
28-12-2017
Terminais ferroviários
IP abre concurso para concessão do parque norte da Bobadela
Foi publicado em Diário da República o anúncio de procedimento que estabelece a abertura do concurso público – por parte da Infraestruturas de Portugal - para a concessão de exploração do parque norte do Complexo Ferroviário da Bobadela. Atualmente, o espaço está alugado à ALB, um dos principais operadores ferroviários e logísticos portugueses, sendo que o contrato entre as duas partes termina em maio de 2018. A concessão prevê “a atribuição da exploração de bens do domínio público ferroviário, com a área de 111.591m2 sitos no Complexo Ferroviário da Bobadela
- Parque Norte, para a realização de cargas, descargas e armazenamento de mercadorias, contentorizadas e/ou paletizadas para consolidação, transportadas por caminho-de-ferro, bem como para todas as atividades associadas à logística de contentores, incluindo o parqueamento de contentores vazios, a sua inspeção e reparação”.
Os interessados devem apresentar as suas propostas num prazo de 30 dias a contar da data de publicação do anúncio (28 de dezembro) e poderão solicitar uma visita ao espaço a concessionar, caso assim o desejem.
A adjudicação será feira “de acordo com o critério do preço mais elevado para a concessão de exploração dos bens de domínio público, considerando-se este como o valor mensal que o concorrente se dispõe a pagar por todo o período da concessão, não podendo esse preço contratual ser inferior a 67.392EUR por mês”, refere o documento.
Recorde-se que em junho deste ano, durante o evento “Nó Ferroviário da Guarda – Distribuição e Logística”, organizado pela Transportes em Revista e pela Câmara Municipal da Guarda, o vice-presidente da IP, Carlos Fernandes, tinha referido que até final do segundo semestre a IP iria lançar processos concorrenciais para encontrar parceiros dispostos a gerir os terminais rodoferroviários que estão atualmente sob tutela daquela entidade pública. Na altura, Carlos Fernandes garantiu que «não vivemos de rendas, mas sim de parcerias e por isso queremos encontrar o balanço justo (...) vamos procurar parceiros, sejam públicos ou privados, que nos tragam mais-valias. Também sabemos que se exigirmos demais matamos o negócio».
por: Pedro Pereira
895 pessoas leram este artigo
48 pessoas imprimiram este artigo
0 pessoas enviaram este artigo a um amigo
0 pessoas comentaram este artigo
Comentários
Não existem comentários
  
Deixe o seu comentário!

 


 

  



Spinerg


  




Chronopost







RSS TR Twitter Facebook TR Canal Transportes Online

Dicas & Pistas © 2009, Todos os Direitos Reservados

Condições de Utilização | Declaração de Privacidade
desenvolvido por GISMÉDIA