sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

 
Carga & Mercadorias
07-10-2016

Disponíveis comercialmente na próxima década:
Scania apresenta primeiros camiões com condução autónoma
A Scania está a desenvolver sistemas de transporte autónomos e os primeiros resultados foram apresentados pelo construtor sueco em Södertälje, na Suécia: dois camiões que podem operar sem intervenção direta do motorista, controlados remotamente. Esta é uma das áreas onde a marca está a trabalhar ativamente para reduzir o impacto ambiental do transporte rodoviário. Segundo o fabricante, os camiões autónomos poderão ser uma realidade comercial na próxima década.





Com o objetivo de reduzir o impacto ambiental do transporte rodoviário, a Scania tem vindo a trabalhar em áreas como a eficiência energética, combustíveis alternativos – onde se incluem os veículos elétricos ou eletrificados – e sistemas de transportes inteligentes e seguros. «O mundo enfrenta desafios importantes em domínios como a congestão, poluição, segurança energética e alterações climáticas. Na Cimeira do Clima de Paris (COP XXI) ficou mais do que evidente que é necessário tomar ações imediatas», afirma Magnus Hoglund, diretor da Scania para Transporte Sustentável Camiões, durante uma ação denomindada Dia do Transporte Sustentável, que decorreu em Södertälje, na Suécia. «O ‘business as usual’ não é opção para a Scania», acrescentou o responsável. «Temos de apostar em soluções sustentáveis de transporte.»

Por sua vez, o responsável do Departamento de Assuntos Públicos e Sustentabilidade da Scania, Asa Pettersson, alerta que uma «pedra angular de tudo o que a Scania faz na área da sustentabilidade e dos transportes é a convicção de que não existem fórmulas milagrosas ou soluções, que, num único passo, possam resolver todos os problemas». O responsável adianta que «acreditamos firmemente na diversidade e reconhecemos que são necessários diversos tipos de soluções e alternativas diferentes. Por isso, a principal tarefa da Scania é ter uma oferta ampla que os nossos clientes exigem, para serem capazes de atingirem os seus objetivos e das suas empresas, em termos de produtividade, sustentabilidade e reduções tangíveis das emissões de dióxido de carbono».

A estratégia da Scania inclui estabelecer um estreita colaboração com outros intervenientes importantes, uma vez que é necessária cooperação para se alcançar o sucesso. O recurso aos sistemas digitais é um fator que pode aumentar o potencial dos recursos existentes e abrir novos caminhos, como seja a coordenação e o controlo das operações de transporte.
Uma das áreas onde o fabricante sueco tem vindo a trabalhar é precisamente em sistemas de transportes inteligentes e seguros. Há mais de uma década que a Scania investiga veículos automáticos e muitas unidades que a marca vende atualmente já têm uma elevada capacidade de condução autónoma, sob a forma de diversos sistemas para comandar quase tudo, desde a velocidade à estratégia de mudanças da caixa de velocidades, mas ainda é necessária a presença humana para monitorizar ativamente todos os sistemas.

Além disso, a Scania já dispõe de uma frota conectada de 190 mil veículos na Europa, que fazem todos os meses o equivalente a 36 mil voltas ao mundo. A marca sueca acredita que a conectividade é a ponte para os veículos autonónomos, que passará, em primeiro lugar, pelo ‘platooning’, isto é, veículos a circularem em pelotão.

De acordo com a Scania, a condução autónoma será uma realidade a médio e longo prazo, mas o elemento humano não será totalmente eliminado do veículo, podendo desempenhar outras funções. A curto prazo, a Scania não acredita que os veículos com condução autónoma se tornem comuns nas estradas públicas, sendo expectável que venham a ter um nível ainda mais avançado de assistência ao motorista e de autonomia. Numa primeira fase e de acordo com os planos da Scania, os primeiros veículos pesados com condução autónoma a serem disponibilizados comercialmente serão camiões para ambientes fechados como minas ou instalações portuárias, seguindo-se os camiões em pelotão e mais tarde os serviços de autocarros automatizados, assim como a distribuição urbana inteligente baseada em veículos com condução autónoma.

Em Södertälje, a Scania apresentou os primeiros resultados do sistema de transporte autónomo que está a ser desenvolvido em cooperação com os principais fornecedores de tecnologia e instituições académicas, e o apoio da Agência de Inovação da Suécia, Vinnova. «Os camiões com condução autónoma são uma das peças do ‘puzzle’ que a Scania está a desenvolver, rumo a soluções de transporte seguras, sustentáveis e sem utilização de energia fóssil», refere o presidente e CEO da Scania, Henrik Henriksson. «Ter veículos que se conduzem em modo parcial ou completamente automático aumenta a segurança e a produtividade. E um camião autónomo nunca se conduz demasiado depressa nem de modo agressivo, e raramente necessita de descansar, o que, obviamente, aumenta a sua disponibilidade», acrescenta o responsável. Com a sua inteligência incorporada, os camiões têm a capacidade de se adaptarem ao ambiente em que operam e de executar tarefas pré-estabelecidas. A Scania refere que os veículos autónomos já estão a demonstrar um desempenho positivo nos testes, mas esta tecnologia só estará disponível comercialmente no início da próxima década. Antes disso, surgirão os camiões que circulam conectados em pelotão (platooning) e isso já poderá ser uma realidade até ao final desta década.



Tecnologia de ponta e controlo remoto

Para poder operar sem motorista, os camiões de teste receberam um conjunto avançado de tecnologias, incluindo uma unidade de controlo da automatização que consiste basicamente no sistema de inteligência do veículo, executando todas as funções de automação e assistência. Esta unidade recolhe todos os dados dos sensores do veículo – radar de curto e longo alcance, câmara multiobjetiva, sensores de inércia e velocidade das rodas, entre outros – combinando-os para obter uma visão abrangente da área envolvente. A unidade de controlo também recebe as missões de transporte do sistema de tráfego externo e converte-as em instruções que os sistemas do veículo possam entender. A localização do veículo é obtida pelo sistema GPS, permitindo que este faça o planeamento da sua rota. As manobras necessárias para seguir a rota são apoiadas pelos sensores, radares e câmaras e pelo processamento de dados. O camião autónomo dispõe ainda uma ligação de dados móveis que possibilita a comunicação com a central de tráfego, a comunicação do seu estado e desempenho, bem como a partilha de dados de perceção com outros veículos autónomos.
 
O veículo autónomo possui ainda um sistema de cadeia cinemática inteligente que ajusta a propulsão do camião com a maior precisão e eficiência energética. O sistema central de controlo do grupo propulsor controla o motor, a caixa de velocidades, a embraiagem e os travões auxiliares. Outro sistema igualmente presente é o da direção assistida eletrónica que permite as funções de automação e assistência para condução do veículo em segurança ao longo da estrada e em redor de obstáculos.

No sistema de demonstração apresentado pela Scania, o elemento humano pode sempre assumir o controlo do camião, bastando tocar no volante. O sistema assume essa informação, desativando a função de condução autónoma, passando o camião a ser conduzido em modo ‘manual’.
1673 pessoas leram este artigo
107 pessoas imprimiram este artigo
0 pessoas enviaram este artigo a um amigo
1 pessoa comentou este artigo
Comentários
11-01-2017 20:13:33 por paulo coelho
Mais um passo para o desemprego.Obrigado SCANIA.
  
Deixe o seu comentário!

 


 

  



Spinerg


  




Chronopost







RSS TR Twitter Facebook TR Canal Transportes Online

Dicas & Pistas © 2009, Todos os Direitos Reservados

Condições de Utilização | Declaração de Privacidade
desenvolvido por GISMÉDIA